terça-feira, 14 de junho de 2011

Nem todo vampiro chupa sangue

Faz alguns anos, li a tal da Bíblia Satânica do Anton LaVey, mas só agora fez sentido certos trechos desse tal livro.
A parte que mais chamou a minha atenção foi a dos "vampiros psíquicos", cujos já me deparei com alguns ao longo da vida... e acredito que muita gente também os conheça embora não os reconheça.
Talvez o que eu tenha lido seja um grande clichê, mas tem sua relevância a partir de que se toma por verdade esse perfil psicológico que na minha opinião é uma praga, um parasita social.
Flavio Gikovate já citou esse tipo de gente em seu livro "O Mal, O Bem e Mais Além - Egoístas, Generosos e Justos".
Segue então, trechos do capítulo que fala dos vampiros sociais:


Vampiros psíquicos são indivíduos que drenam dos outros sua energia vital. Este tipo de pessoa pode ser encontrado em todas as avenidas da sociedade. Eles não desempenham nenhum propósito útil em nossas vidas e não têm nenhum desígnio de amor ou amigos verdadeiros.
Até agora nos sentimos responsáveis pelos vampiros psíquicos sem saber o porquê.
Se você pensa que pode ser a vítima de uma determinada pessoa, há algumas simples regras de que o ajudará a tomar uma decisão.
Há uma pessoa que você freqüentemente recebe ou visita, mesmo que realmente não queira, porque você sabe que se sentirá culpado se não o fizer?
Ou você se descobre freqüentemente fazendo favores para alguém que nunca vem adiante e pede, mas sugere?
Freqüentemente o vampiro psíquico usará a psicologia reversa, dizendo: "óh, eu não posso pedir a você por isto" - e você, em retorno, insiste em fazê-lo. O vampiro psíquico nunca exige nada de você. Isto pareceria muito presunçoso.
Eles simplesmente deixam os seus desejos serem conhecidos de maneiras sutis que impedirá que eles sejam considerados pestes. Eles "nunca pensariam em impor" e são sempre capazes de aceitar a sua sorte, sem a menor importância - externamente! Seus pecados não são de ação, mas de omissão. É o que eles "não"dizem, não o que eles querem dizer, que faz você sentir muito responsável por eles.
Eles também são muito astuciosos em abrir suas pretensões com você, porque eles sabem que você se ressentiria disto, e teria uma razão tangível e legítima para condená-los.
Muitos vampiros psíquicos são inválidos (ou pretendem ser) ou são "mentalmente e emocionalmente perturbados". Outros podem simular ignorância ou incompetência e então, sem compaixão, ou mais freqüentemente, com irritação, você fará coisas para eles.
Muitas pessoas aceitam passivamente estes indivíduos viciosos de fisionomia de valor somente porque suas
manobras insidiosas nunca foram apontadas. Eles somente aceitam estas "pobres almas" como sendo menos
afortunadas do que eles, e sentem que precisam ajudá-los do modo que puderem. É um senso equivocado de responsabilidade (ou infundado senso de culpa) que nutre bem os "altruísmos" em cima da festa destes parasitas!
O vampiro psíquico consegue existir porque escolhe engenhosamente pessoas conscientes, responsáveis,
como vítimas - pessoas com grande dedicação pelas suas "obrigações morais".
Em alguns casos nós somos vampirizados por grupos de pessoas, assim como por indivíduos. Cada organização construída pelo capital, seja ela uma fundação de caridade, conselho comunitário, religioso ou
associação fraterna etc., cuidadosamente seleciona a pessoa que é habilidosa em fazer os outros se sentirem
culpados pelo seu presidente ou coordenador. O trabalho do presidente é nos intimidar para abrir primeiro nossos corações e depois nossas carteiras, para o recipiente da "boa vontade" - nunca mencionando que, em muitos casos, seu tempo não é dado desinteressadamente, mas que eles estão ganhando um gordo salário pelos suas "obras nobres". Eles são mestres em manipular a simpatia e consideração de gente responsável. Freqüentemente vemos pequenas crianças que são enviadas adiante pelos autohonrados.
Há, é claro, pessoas que não se sentem felizes a menos que dêem, mas muitos de nós não se encaixa nesta categoria. Infortunadamente, nós estamos freqüentemente nos pondo em fazer coisas que genuinamente não
sentimos que deveria ser exigidas de nós. Uma pessoa consciente acha que é muito difícil decidir
entre caridade voluntária e imposta. Ela espera fazer o que é certo e justo, e acaba perplexo tentando decidir exatamente quem ela deveria ajudar e que grau de ajuda deveria corretamente ser esperada dela.
Cada pessoa precisa decidir por si mesma qual é a sua obrigação para com seus respectivos amigos, família e comunidade. Antes de dar o seu tempo e dinheiro para aqueles de fora, sua família imediata e seu fechado círculo de amigos, ele precisa decidir do que pode dispor, sem privar aqueles que são mais chegados a ele.
Quando tomar essas coisas em consideração ele precisa estar certo de incluir a si mesmo entre aqueles que
significam muito para si. Ele precisa avaliar cuidadosamente a validade do pedido e a personalidade e
motivos de cada pessoa que lhe pede alguma coisa.
É extremamente difícil para uma pessoa aprender a dizer "não" quando em toda a sua vida ele tem dito "sim".
Mas a menos que ele espere ter vantagem constantemente, deve aprender a dizer "não" quando as circunstâncias justifiquem fazê-lo. Se você permiti-los, os vampiros psíquicos gradualmente se infiltrarão no
seu dia-a-dia até que você perca a sua privacidade - e seu sentimento constante a respeito deles esvaziará você de toda a ambição.
Um vampiro psíquico sempre selecionará a pessoa que é relativamente capaz e satisfeita com a vida - uma
pessoa que é bem casada, contente com o seu trabalho, e geralmente bem ajustada com o mundo à sua volta - para se alimentar dela. O fato genuíno de que o vampiro psíquico escolhe, para vitimar, uma pessoa feliz mostra que ele está carente de todas as coisas que sua vítima tem; ele fará qualquer coisa para trazer encrenca e desarmonia entre sua vítima e as pessoas que lhe são caras.
Com receio de que você confunda amor desesperado (que é uma coisa muito egoísta) com vampirismo
psíquico, a vasta diferença entre as duas precisam ser esclarecidas. O único caminho para saber se você está sendo vampirizado é comparar o que você dá à pessoa em relação ao que ela lhe dá em troca. Quando eles sentem que você está saindo de suas presas duas coisas acontecerão.
Primeiro, eles agirão "apertando", esperando que seu velho sentimento de dever e simpatia retornarão, e
quando (e se) não acontece, eles mostrarão suas cores verdadeiras e se tornarão irados e vingativos.
Geralmente, os vampiros psíquicos concebem que seus métodos foram descobertos e não pressionam o resultado. Ele não continuará a perder o seu tempo com você, mas se moverá para sua próxima vítima
insuspeitada.
Há momentos, contudo, quando o vampiro psíquico não libera sua presa tão facilmente, e fará tudo para
atormentar você. Eles tem todo o tempo para isto porque, quando uma vez rejeitados, eles negligenciarão
tudo (ou seja, o que pouco tem) para devotar seus momentos de vigília em planejar a vingança para o que
eles se sentem autorizados.
Não desperdice o seu tempo com pessoas que finalmente destruirão você, mas se concentre naqueles que apreciarão sua responsabilidade por eles, e, do mesmo modo, sentirão responsáveis por você.

Nenhum comentário: