terça-feira, 15 de setembro de 2009

Lover's Grief




Tristeza do amante



Ó lua gótica teu brilho me encantou esta noite
Tirou-me do sono, me fez perambular sob tua luz
Tu deixaste meu coração florescer até o ultimo de seus raios,
Brilhe!

Assassina do sono, e nuvens negras te escondem...
Eu sei que isto não pode ser eterno!
Nenhum amor nunca conquistou os limites do tempo!
Nenhuma beleza dura para sempre, nem mesmo a tua!
Mas como eu desejei que seu coração fosse para sempre meu...
Teus olhos me acariciam para encarar estas mentiras dolorosas...
A persistência da lua me fez perguntar...

Por que nós não podemos ser estrelas?
(Estrelas que brilham para sempre...)
Por que nós não podemos ser estrelas?
(Estrelas que se unem com a noite...)
Por que nós não podemos ser estrelas?

No horizonte as negras nuvens de tristeza reuníram seu poder,
Nem a lua, nem as estreslas revelam suas luzes esta noite...
E a chuva continua caindo, chovendo para dentro de minha alma,
Enquanto selvagens nuvens que choram me envolvem com sua tristeza.

*Empyrium*



Tu não enxergas que teu caminho é o espelho d'água, que reflete a minha alma na tua.
Horas à comtemplar tal beleza, observando detalhes, que nenhuma importância têm, pois o que há de mais belo em mim nunca será admirado.
Encontra à ti mesmo, e verá que mesmo de longe, contigo eu sempre estive.
(Por Aneshka)

Nenhum comentário: